Práticas integrativas e complementares no serviço público de saúde

estudo em Jeceaba, Minas Gerais

Autores

  • Clarice do Vale Araújo Melo
  • Maria da Gloria Leal de Souza Rezende
  • Luiz Claudio Moreira Junior
  • Janice Simpson Paula Departamento de Odontologia Social Faculdade de Odontologia de Piracicaba - Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.14295/jmphc.v13.1032

Palavras-chave:

Acupuntura, Saúde Pública, Promoção da Saúde, Terapias Complementares, Medicina Tradicional Chinesa

Resumo

A Organização Mundial de Saúde reconhece a importância das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde – PICS e incentiva seu uso no serviço de saúde. Diante disso, objetiva-se apresentar o serviço de práticas integrativas e complementares ofertado no Sistema Único de Saúde – SUS em Jeceaba, Minas Gerais. Foi realizado um estudo observacional transversal, com perfil descritivo e exploratório, utilizando dados secundários dos prontuários no serviço público de acupuntura em Jeceaba. Foram coletadas informações sociodemográficas, condições clínicas e queixas principais, além de dados sobre o número de atendimentos e o tipo de tratamento realizado. Como resultados do relato de experiência, foram avaliados 419 prontuários. A idade média dos indivíduos atendidos foi de 40,4 anos (DP: 17.8). Em relação ao gênero, 299 (71,4%) usuários eram mulheres, a maioria casados (44,4%) e trabalhadores urbanos (46,3%). As queixas principais se referiam, em sua maioria, a sintomatologias dolorosas relacionadas ao sistema musculoesquelético, e a procura pelo serviço foi por demanda livre (26,5%). A partir dos resultados encontrados, pode-se concluir que o atendimento em Jeceaba, MG, pelos 16 anos de sua existência e pelos dados coletados, representa uma experiência exitosa de incorporação das Práticas Integrativas e Complementares no SUS, atendendo às diversas demandas físicas e psicológicas, e incluindo todos os ciclos de vida da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Pereira MSS, Silva BO, Santos FR. Acupuntura: terapia alternativa, integrativa e complementar na odontologia. Revista CROMG. 2015;16(1):19-26. https://doi.org/10.5935/2595-0118.20190064.

Xiang A, Cheng K, Shen X, Xu P, Liu S. The immediate analgesic effect of acupuncture for pain: a systematic review and meta-analysis. Evid Based Complement Alternat Med. 2017;2017:3837194. https://doi.org/10.1155/2017/3837194.

Contatore AO, Barros NF, Durval MR, Barrio PCCC, Coutinho BD, Santos JA, et al. Uso, cuidado e política das práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde.Cienc Saude Colet. 2015;20(10):3263-73. https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00312015.

Eisenberg DM, Davis RB, Ettner SL, Appel S, Wilkey S, Van Rompay M, et al. Trends in alternative medicine use in the United States, 1990-1997: results of a follow-up national survey. JAMA. 1998 11;280(18):1569-75. https://doi.org/10.1001/jama.280.18.1569.

Elias MC, Alves E. Medicina não-convencional: prevalência em pacientes oncológicos. Rev Bras Cancerol. 2002;48(4):523-32. https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2002v48n4.2158.

Fisher P, Ward A. Complementary medicine in Europe. BMJ. 1994 Jul 9;309(6947):107-11. https://doi.org/10.1136/bmj.309.6947.107.

Silva EDC, Tesser CD. Experiência de pacientes com acupuntura no sistema único de saúde em diferentes ambientes de cuidado e (des)medicalização social. Cad Saude Publica. 2013;29(11):2186-96. https://doi.org/10.1590/0102-311x00159612.

Telesi Júnior E. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estud Av. 2016;30(86):99-112. https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007

Ministério da Saúde (BR). As cartas de promoção da saúde. Brasília, DF: MS; 2002. (Série B: textos básicos em saúde).

World Health Organization. WHO traditional medicine strategy: 2014-2023. Geneva: WHO; 2013.

Monteiro MMS. Práticas integrativas e complementares no Brasil: revisão sistemática [monografia]. [Recife, PE]: Fundação Oswaldo Cruz; 2012.

Sharma V, Holmes JH, Sarkar IN. Identifying complementary and alternative medicine usage information from internet resources. a systematic review. Methods Inf Med. 2016 Aug 5;55(4):322-32. https://doi.org/10.3414/ME15-01-0154.

Ozturk C, Karatas H, Längler A, Schütze T, Bailey R, Zuzak TJ. Complementary and alternative medicine in pediatrics in Turkey. World J Pediatr. 2014;10(4):299-305. https://doi.org/10.1007/s12519-014-0507-8.

Nissen N, Schunder-Tatzber S, Weidenhammer W, Johannessen H. What attitudes and needs do citizens in Europe have in relation to complementary and alternative medicine?. Forsch Komplementmed. 2012;19 (Suppl 2):9-17. https://doi.org/10.1159/000342710.

Foley H, Steel A. Patient perceptions of clinical care in complementary medicine: a systematic review of the consultation experience. Patient Educ Couns. 2017;100(2):212-23. https://doi.org/10.1016/j.pec.2016.09.015.

Schveitzer MC, Zoboli ELCP. Papel das práticas complementares na compreensão dos profissionais da atenção básica: uma revisão sistemática. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(spe):189-96. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000500026.

Ministério da Saúde (BR). Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude e ampliação de acesso. Brasília, DF: MS; 2006. (Série B. Textos básicos de saúde).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo populacional 2010. Brasília, DF: IBGE; 2010.

Góis ALB. Acupuntura, especialidade multidisciplinar: uma opção nos serviços públicos aplicada aos idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2007;10(1):87-100. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2007.10017.

Pereira CF. A acupuntura no SUS: uma análise sobre o conhecimento e utilização em Tangará da Serra-MT. Rev Saude Pesqui. 2010;3(2):213-9.

Costa P. A acupuntura no sistema único de saúde. Rev Bras Cienc Saude. 2017 [citado 20 ago. 2021];1(1):58-63. Disponível em: http://periodicos.uesc.br/index.php/rebracisa/article/view/1481

Lima KMSV, Silva KL, Tesser CD. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: experiência de um serviço municipal de saúde. Interface (Botucatu). 2014;18(4):261-72. https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0133.

Navolar TS. A interface entre a nutrição e as práticas

integrativas e complementares no SUS [dissertação]. [Florianópolis,SC]: Universidade Federal de Santa Catarina; 2010.

Lim PF, Smith S, Bhalang K, Slade GD, Maixner W. Development of temporomandibular disorders is associated with greater bodily pain experience. Clin J Pain. 2010;26(2):116-20. https:// doi.org/10.1097/AJP.0b013e3181c507ef.

Hui KKS, Nixon EE, Vangel MG, Liu J, Marina O, Napadow V, et al. Characterization of the "deqi" response in acupuncture. BMC Complement Altern Med. 2007 Oct 31;7; 33. https://doi.org/10.1186/1472-6882-7-33.

Yang X-Y, Shi G-X, Li Q-Q, Zhang Z-H, Xu Q, Liu C-Z. Characterization of deqi sensation and acupuncture effect. Evid Based Complement Altern Med. 2013;2013:e319734. https://doi.org/10.1155/2013/319734.

Zhou W, Benharash P. Significance of "Deqi" response in acupuncture treatment: myth or reality. J Acupunct Meridian Stud. 2014;7(4):186-9. https://doi.org/10.1016/j.jams.2014.02.008.

Moré AOO. Educação permanente em acupuntura: análise de um processo educativo e suas repercussões na prática de médicos da atenção primária à saúde [tese]. [Florianópolis, SC]: Universidade Federal de Santa Catarina; 2016.

Jacobsen R, Fønnebø VM, Foss N, Kristoffersen AE. Use of complementary and alternative medicine within Norwegian hospitals. BMC complementary and alternative medicine. BMC Complement Altern Med. 2015 Aug 13;15:275. https://doi.org/10.1186/s12906-015-0782-5.

Sampaio TL. Análise das práticas integrativas em saúde na atenção básica no Distrito Federal [dissertação]. [Brasília, DF]: Universidade de Brasília; 2013.

Freidin B, Abrutzky R Acupuntura en un servicio hospitalario en Argentina: experiencias y perspectivas de los usuarios. Interface (Botucatu). 2011;15(37):505-18. https://doi.org/10.1590/S1414-32832011005000007.

Cintra MER, Figueiredo R. Acupuntura e promoção de saúde: possibilidades no serviço público de saúde. Interface (Botucatu). 2010;14(32):139-54. https://doi.org/10.1590/S1414-32832010000100012.

Ischkanian PC. Promoção, comunicação e educação em saúde: a prática da acupuntura e da fitoterapia [tese]. [São Paulo, SP]: Universidade de São Paulo; 2016.

Yoshizumi AM. Perfil dos usuários do ambulatório de acupuntura da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo: um estudo de caso [dissertação]. [São Paulo, SP]: Universidade de São Paulo; 2010.

Kurebayashi LFS, Freitas GF, Oguisso T. Enfermidades tratadas e tratáveis pela acupuntura segundo percepção de enfermeiras. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(4):930-6. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000400027.

Rocha SP. A acupuntura no sistema único de saúde no município

de São Paulo: história oral e memória [tese]. [São Paulo, SP]: Universidade Federal de São Paulo; 2012.

Firoozmand LT, Robles CC. Práticas integrativas e complementares com ênfase em acupuntura no âmbito da atenção básica: SUS [monografia]. [São José dos Campos, SP]: Faculdade de Educação, Ciência e Tecnologia; 2011.

Santos FAS, Gouveia GC, Martelli PJL, Vasconcelos EMR. Acupuntura no sistema único de saúde e a inserção de profissionais não-médicos. Braz J Phys Ther. 2009;13(4):330-4. https://doi.org/10.1590/S1413-35552009005000043.

Freitas FPP. Acupuntura no contexto do atendimento aos usuários com dor crônica na atenção primária à saúde do município do Rio de Janeiro [dissertação]. [Rio de Janeiro, RJ]: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2015.

Rui AAO, Florian MR, Grillo CM, Meirelles MPMR, Sousa MLR. Avaliação do conhecimento e interesse em tratamento com acupuntura na odontologia pelos usuários do sistema único de saúde dos municípios de Rio Claro e Cerquilho-SP. J Health Sci Inst. 2013;31(1):24-6.

Broitman M. Perfil dos pacientes, em geral e HIV positivos, atendidos em uma unidade de práticas integrativas e complementares da rede municipal de São Paulo [dissertação]. [São Paulo, SP]: Universidade de São Paulo; 2011.

Bishop FL, Barlow F, Coghlan B, Lee P, Lewith GT. Patients as healthcare consumers in the public and private sectors: a qualitative study of acupuncture in the UK. BMC Health Serv Res. 2011 May 27;11:129. https://doi.org/10.1186/1472-6963-11-129.

Losso LN, Lopes SS. Análise da oferta e produção de atendimento em acupuntura na atenção básica em Santa Catarina. Tempus Actas Saude Colet. 2017;11(2):159-77. https://doi.org/10.18569/tempus.v11i2.1856.

Cazarin G, Martins JG, Sousa MM, Barcellos APM. Monitoramento das práticas integrativas e complementares em Minas Gerais: a utilização de um instrumento de apoio aos sistemas de informação. J Manag Prim Health Care. 2017;8(2):278-89. https://doi.org/10.14295/jmphc.v8i2.534.

Otani MAP, Barros NF. A medicina integrativa e a construção de um novo modelo na saúde. Cienc Saude Colet. 2011;16(3):1801-11. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000300016.

Santos FAS. Análise da política de práticas integrativas e complementares no Recife [dissertação]. [Recife, PE]: Fundação Oswaldo Cruz; 2010.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

1.
do Vale Araújo Melo C, Leal de Souza Rezende M da G, Moreira Junior LC, Paula JS. Práticas integrativas e complementares no serviço público de saúde: estudo em Jeceaba, Minas Gerais. J Manag Prim Health Care [Internet]. 1º de setembro de 2021 [citado 22º de setembro de 2021];13:e09. Disponível em: https://jmphc.emnuvens.com.br/jmphc/article/view/1032

Edição

Seção

Relato de Experiência